sydneyrx2014.com Available ED Pharmacy is an 1st. pharmacy providing a individual service to the community in Australia. Over 80,000 extremely satisfied customers! We're your medication drug store cialis australia and have provided trusted service to families in Australia for over 15 years.

(microsoft word - biotecnologia - a corrida pela inova\347\343o)

BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO1
Periódico: Inteligência Empresarial (UFRJ), v. 19, p. 15-22, 2004 Autor: CARVALHO, Rodrigo S. (Hélice Consultoria) E-mail: rcarvalho@heliceconsultoria.com.br 1- Um velho novo mundo

OCDE (1999) define biotecnologia como a aplicação da ciência para o processamento de materiais, através de agentes biológicos, tendo como objetivo a produção de bens e a oferta de serviços. Observa ainda o caráter horizontal que a torna aplicável num conjunto amplo de setores – desde setores avançados, como a indústria farmacêutica até setores mais tradicionais, como a cadeia agro-alimentar. Costa (2001) esclarece que não se trata de uma ciência recente, e destaca o seu uso em aplicações seculares, como os processos de fermentação da cerveja ou a fabricação de pão, por exemplo. Por que, então, a biotecnologia desperta tantos interesses e atenção da sociedade? Arora et al. (2000) destaca a descoberta da técnica de recombinação do DNA e a produção do primeiro anticorpo monoclonal, em meados dos anos 70, como os fatos geradores que desencadearam uma profusão de expectativas quanto ao impacto econômico e social do uso da biotecnologia. Para o melhor entendimento do vasto espectro que envolve biotecnologia, Costa (2001) a caracterizou em três gerações: 1. A primeira geração seria o conjunto de processos tradicionais como os já descritos acima, que agrupam atividades de fermentação, ou a tintura de tecidos, por exemplo. Em suma, processos tradicionais seculares, de utilização de agentes biológicos para a produção de bens ou a oferta de serviços. 1 Este é o primeiro de uma série de dois artigos onde o autor apresenta uma visão panorâmica da indústria de biotecnologia. Este primeiro artigo apresenta o panorama internacional e suas tendências. No segundo artigo, a ser publicado na próxima edição da revista Inteligência Empresarial, ele discute as alternativas para a participação brasileira neste mercado. 2. A segunda geração teria surgido na Segunda Guerra Mundial, com o advento das técnicas de produção biológica em larga escala de antibióticos e o desenvolvimento das áreas de microbiologia, bioquímica e engenharia química. 3. A terceira geração, que caracteriza atualmente o emprego da palavra biotecnologia, retrata todo o leque de técnicas de manipulação do DNA e de fusão celular para a produção de anticorpos monoclonais, descobertas em
2- O uso da biotecnologia na indústria farmacêutica
A biotecnologia tem sido caracterizada como uma indústria intrinsecamente apoiada na ciência, já que tanto a sua emergência como o seu desenvolvimento está fortemente associado à produção de novo conhecimento num conjunto de áreas científicas e tecnológicas. Uma parte importante da produção deste conhecimento tem lugar em universidades e outras instituições de ciência e tecnologia. Entretanto, em algumas áreas, principalmente na indústria farmacêutica, as empresas investem cada vez mais neste campo do conhecimento (FONTES, 2001). Como destaca Bottazzi et al (2000), a indústria farmacêutica é caracterizada pelos crescentes investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) tendo como pano de fundo o lançamento de novas drogas. A indústria é pontuada por grandes empresas, com atuação global, que possuem a capacidade operacional-financeira de atuar ao longo de toda a cadeia de valor: desde as atividades de P&D, até a comercialização e distribuição do produto final. O mercado para os produtos farmacêuticos cresce, impulsionado principalmente pelo aumento médio de expectativa de vida mundial, e a procura crescente por novas terapias que combatam a doenças com nenhum, ou limitado sucesso – por exemplo, diversas formas de câncer, AIDS e Alzheimer. Malerba e Orsenigo (2001) ponderam que as descobertas derivadas no domínio da biotecnologia da terceira geração – DNA recombinante e fusão celular – causaram um profundo impacto no processo de descobrimento de novas drogas, pois as técnicas inovadoras enriqueceram, de sobremaneira, a seleção e identificação dos compostos para as atividades de pesquisa e desenvolvimento. O ganho de efetividade é resultado do melhor entendimento do comportamento molecular dos mecanismos de ação e de combate às doenças, que municiou os pesquisadores com uma larga, porém mais precisa, fronteira de possibilidades de terapias de combate e prevenção a diversas doenças. De acordo com Malerba e Orsenigo (2001), as inovações provenientes da terceira geração causaram a ruptura no desenvolvimento de novas drogas, e estabeleceu um novo processo de seleção de compostos: “pesquisa guiada” (guided search), que se distingue radicalmente da chamada “pesquisa aleatória” (random search), que pauta a indústria farmacêutica desde os anos posteriores à Segunda Guerra A pesquisa aleatória caracteriza-se por ser um processo mais lento e meticuloso de seleção e identificação de novos compostos, baseado na intuição dos pesquisadores (conhecimento tácito), com acentuado grau de imprecisão e incertezas quanto ao sucesso terapêutico dos compostos. Destes conhecimentos, muito pouco são codificados, o que torna o processo extremamente dependente das competências individuais dos pesquisadores. Importantes classes de drogas foram descobertas e desenvolvidas desta maneira, incluindo os diuréticos e os mais poderosos antibióticos. Já a pesquisa guiada gerou um processo mais racional de desenho de novas drogas conhecido como “rational drug design”, que confere maior segurança na formulação dos protocolos que serão desenvolvidos ao longo dos testes clínicos. A mitigação das incertezas que permeiam, naturalmente, a efetividade do sucesso terapêutico das novas drogas, ocorre devido às possibilidades do melhor entendimento das reações e funcionalidades moleculares advindas da engenharia genética. Malerba e Orsenigo (2001) concluem que a “biotecnologia” produziu uma significativa mudança nas competências organizacionais essenciais para o sucesso de um participante da indústria farmacêutica, e permitiu o surgimento de novas empresas start-ups de base biotecnológica.
3 – O surgimento e a inserção das empresas de base biotecnológica
A ruptura causada pelos avanços no campo do conhecimento da biotecnologia, a partir de meados da década de 70, possibilitou a florescência de uma série de novas empresas start-ups de base biotecnológica, sendo a empresa norte- americana Genentech, fundada em 1976, o símbolo deste fenômeno. Assim como a maioria das empresas sucessoras, a Genentech surgiu da união de pesquisadores oriundos de spin-offs de universidades e gestores profissionais, suportados por capital de risco. Este fenômeno, entretanto, como demonstra Arora et al. (2000), ainda é essencialmente localizado nos EUA. Arora et al. (2000) argumenta que essas empresas são especializadas nos estágios iniciais do processo de pesquisa e desenvolvimento de novas drogas, e não apresentam competências nem ativos para atuarem ao longo de todas as etapas do processo inovativo. A figura 1 a seguir representa a inserção das empresas de base biotecnológica na cadeia de valor: Figura 1 - A inserção das empresas de biotecnológica na cadeia de valor
Empresas de base biotecnológica
Fonte: Elaboração própria a partir de Arora et al (2000)
A cadeia de valor ainda pode ser desagregada, focando nos elos “Pesquisa” e “Desenvolvimento”, expandido-os de modo que seja possível visualizar as etapas do processo de descoberta (pesquisa), desenvolvimento e aprovação de novas drogas (figura 2): Figura 2 - O processo de descoberta, desenvolvimento e aprovação de novas
drogas

Empresas de base biotecnológica

Fonte: Aurora et al. (2000) e Gil ing (2002). Modificado pelo autor.
Aurora et al. (2000) observa que as empresas de base biotecnológica atuam, geralmente, desde a pesquisa básica, que resulta na seleção e identificação dos compostos para desenvolvimento, até as fases I e II dos testes clínicos. Os processos de descoberta, desenvolvimento e aprovação de novas drogas demandam o emprego de elevados recursos financeiros e competências que as empresas de base biotecnológica, no geral, não possuem. O caminho que uma droga percorre até ser aprovada para a comercialização é longo, variando de 8 a 12 anos, chegando a custar US$ 500 milhões entre pesquisa, desenvolvimento e produção. Costa (2001) e Fontes (2001), no entanto, ponderam que as empresas de base biotecnológica primam pelo estabelecimento de alianças estratégicas e parcerias com os demais atores do processo inovativo. Para a pesquisa básica, as empresas de base biotecnológica buscam estabelecer relacionamento com centros de investigação científica e universidades – enquanto que para as etapas
finais do processo de desenvolvimento e comercialização dos seus produtos, as
empresas formalizam alianças estratégicas com as tradicionais farmacêuticas. O
segundo movimento é ainda mais recorrente, e o gráfico 2 a seguir apresenta a
evolução do número de alianças estratégicas entre empresas de base
biotecnológica e as tradicionais farmacêuticas:
Gráfico 1 - O número de alianças estratégicas entre as farmacêuticas e as
Fonte: Burril & Co (2003) - “Biotech 2003: Revaluation and Restructuring…”
O número de alianças entre as companhias farmacêuticas e empresas de base biotecnológica alcançou a marca de 411 em 2002. A consultoria especializada H3 Pharma (2002) elaborou um estudo onde fica clara a necessidade das empresas de base biotecnológica, mesmo as consideradas grandes, como a Genentech, Amgen e Biogen, em estabelecerem alianças com as empresas farmacêuticas. A tabela 1 a seguir apresenta os principais produtos das maiores empresas de base biotecnológica, e as respectivas empresas farmacêuticas responsáveis pelas atividades de comercialização e distribuição: Tabela 1 - A relação empresas de base biotecnológica x farmacêuticas
Fonte: H3 Pharma (2002) – “Vision des Al iances Biopharmaceutiques et du Développement de l’Industrie”
Como destacam Arora et al (2000) e Malerba e Orsenigo (2001), as atividades de coordenação e controle desempenhadas ao longo das etapas dos testes clínicos2, presentes no desenvolvimento das drogas, e o posterior processo de aprovação junto aos órgãos reguladores, requerem competências e um acúmulo de aprendizado que as empresas de base biotecnológica, de maneira geral, não possuem. Portanto, não se trata apenas de ausência de recursos financeiros. Segundo Malerba e Orsenigo (2001), essa lacuna é corrigida com as alianças junto às empresas farmacêuticas, que dominam integralmente a cadeia de valor, ou através da utilização de prestadores de serviços especializados nessas atividades: os Contract Research Organization (CRO). Uma empresa CRO atua no mercado prestando os serviços de terceirização do gerenciamento e controle dos testes clínicos, e dos trâmites legais para a posterior aprovação das drogas nos órgãos reguladores. Malerba e Orsenigo (2001) concluem que a intensa colaboração entre as empresas de base biotecnológica e as tradicionais farmacêuticas resultou no 2 Em anexo uma tabela resumo contendo as características principais de cada etapa dos testes clínicos. estabelecimento de empresas start-ups posicionadas no desenvolvimento e aplicação de novos conhecimentos científicos, orientadas exclusivamente para a obtenção de patentes, visando a posterior negociação com as grandes companhias farmacêuticas. Uma segmentação vertical, em princípio, do processo inovativo, permite a identificação do posicionamento e apropriação dos atores por eficiência do uso do novo conhecimento gerado: os centros de investigação e
universidades estariam posicionados na produção do novo conhecimento
científico, as empresas start-ups de base biotecnológica seriam as responsáveis
pelo desenvolvimento e aplicação do novo conhecimento, e por fim as grandes
empresas estariam posicionadas nas etapas finais de desenvolvimento e
comercialização deste conhecimento.
4 – As alianças sob a ótica das farmacêuticas
Segundo Costa (2001), quando a biotecnologia despertou o interesse das grandes empresas farmacêuticas, em meados da década de 70, elas adotaram uma estratégia simplista de relacionamento com o novo conhecimento que surgia: passaram a estruturar pequenas equipes de pesquisas para monitorar os novos desenvolvimentos dos competidores. Numa segunda fase, em meados da década de 80, as grandes empresas farmacêuticas passaram a estabelecer parcerias com as empresas de base biotecnológica que surgiam, ou até mesmo adquiriram um elevado número de empresas. A movimentação de alianças e aquisições perdura até os dias atuais. As alianças estabelecidas entre as empresas de base biotecnológica, notadamente as start-ups, e as grandes empresas farmacêuticas encontram justificativa, de ambos os lados, no problema dos gaps de competências – as start-ups buscam nas grandes empresas o acesso às poderosas estruturas de produção e comercialização, enquanto que as tradicionais farmacêuticas encontram nas empresas de base biotecnológica o permanente contato com o estado da arte da ciência. Malerba e Orsenigo (2001:8) alertam para o fato de que o novo conhecimento, resultante das descobertas de meados da década de 70, é de difícil assimilação, do ponto de vista organizacional, pois “(.) isto implica numa mudança radical nos procedimentos de pesquisa, numa redefinição das fronteiras entre as disciplinas e entre os laboratórios e, em alguns casos, na própria estrutura organizacional das companhias”. Deste modo, mesmo com as grandes empresas farmacêuticas investindo elevadas quantias nas atividades de P&D, é baixa a eficiência na utilização do conhecimento advindo da terceira geração da biotecnologia. De acordo com Burrill & Co (2003), a indústria farmacêutica sofre intensa pressão com a eminente perda de importantes patentes nos próximos anos e a acirrada competição com os genéricos. Entre 1986 e 1989, a Merck perdeu a proteção de patentes (expirou o prazo) de 13 drogas, que representavam US$ 847 milhões de vendas anuais, e 24% da sua receita. Exemplos não faltam. Importantes empresas farmacêuticas perderam a proteção de suas patentes principais, no início dos anos 90: Pfizer (Procardia, US$ 364 milhões em vendas nos EUA), Eli Lil y (Ceclor, US$ 355 milhões) e SmithKline (Tagamet, US$ 499 milhões), entre outros. A seguir, a tabela 2 apresenta as principais patentes expiradas em 2002 e uma projeção das
perdas até 2005:
Tabela 2 - As principais patentes expiradas em 2002 e a projeção até 2005
Fonte: Burril & Co (2003) - “Biotech 2003:Revaluation and Restructuring…”

Observa-se que a indústria farmacêutica demanda o lançamento de novas drogas
no mercado em substituição àquelas que terão as suas patentes expiradas nos
próximos anos. Todavia, Burrill & Co (2003) ainda ponderam sobre um importante
aspecto do atual cenário da indústria: a queda no poder de inovação das
tradicionais empresas farmacêuticas. O gráfico 2 a seguir apresenta esse
fenômeno:

Gráfico 2 - Gastos em P&D das empresas farmacêuticas vs. aprovação de novas
drogas
vaçõ 40
1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 Fonte: Burril & Co (2003) - “Biotech 2003:Revaluation and Restructuring…”
O gráfico 2 demonstra que, a despeito dos crescentes investimentos em P&D, passando de US$ 20 bilhões em 1992 para US$ 30 bilhões em 2001, as grandes empresas farmacêuticas sofrem com a queda no número de drogas aprovadas no órgão regulador norte-americano o FDA (Food Drug Administration). Burrill & Co (2003) analisa que as empresas farmacêuticas buscarão parcerias e alianças com os demais atores da cadeia com o intuito de obter novos compostos de maneira mais rápida, principalmente através da aquisição de compostos já desenvolvidos nos estágios inicias dos testes clínicos. A tabela 3 apresenta algumas transações e parcerias envolvendo empresas de base biotecnológica e empresas farmacêuticas:
Tabela 3. Algumas transações e parcerias envolvendo empresas biotecnológicas
A Mil ennium cedeu para a divisão Johnson & Johnson Ortho Biotech mundiais (fora dos EUA) da droga Velcade bortezomib, de combate ao câncer. As companhias selaram parceria para o desenvolvimento e comercialização mundial do Regeneron’s VEGF Trap, droga voltada para o tratamento de tumores sólidos e NHL, que se Fonte: Burril & Co (2002, 2003) – http://www.Burril andco.com/Burril /quartely reports/; acessado em 10/10/2003.
Malerba e Orsenigo (2001) acrescentam que o processo de pesquisa e desenvolvimento de novas drogas ainda é pautado por elementos tácitos do conhecimento, requerendo a integração de distintas disciplinas, técnicas, rotinas e procedimentos de pesquisa. Ademais, enquanto o conhecimento permanecer disperso e fragmentado entre as organizações, e a taxa de mudança tecnológica seguir elevada, dificilmente uma instituição conseguirá internamente encontrar todos os elementos para levar novos produtos para o mercado de modo mais eficiente – as grandes companhias farmacêuticas continuarão a necessitar estabelecer alianças estratégicas e parcerias.
5 - Conclusões

A biotecnologia tem uso secular e recorrente em diversos campos do conhecimento. No entanto, as descobertas das técnicas de recombinação do DNA e de fusão celular, em meados da década de 70, causaram um profundo impacto no processo de pesquisa de desenvolvimento de novas drogas, gerando importantes mudanças na indústria farmacêutica, e desde então o termo biotecnologia carrega muita expectativa quanto ao seu potencial econômico e social. O novo conhecimento, caracterizado como biotecnologia de terceira geração, permite uma maior segurança quanto ao entendimento do comportamento molecular e os mecanismos de ação e de combate às doenças. Este novo processo é dito “rational drug design”, onde a responsabilidade excessiva da intuição dos pesquisadores e cientistas para a seleção e identificação dos compostos, e o desenho de uma nova droga é reduzida. Neste cenário, surgiu um conjunto de empresas, formadas com a união de cientistas e pesquisadores vindos de universidades e centros de investigação, e gestores profissionais, financiados com capital de risco: as empresas de base biotecnológica – notadamente nos EUA. De maneira geral, essas empresas estão em permanente contato com o estado da arte da ciência, apresentando maior facilidade em lidar com as potencialidades geradas pelos novos conhecimentos advindos da terceira geração da biotecnologia. Entretanto, o processo completo de pesquisa e desenvolvimento de uma nova droga é bastante longo e dispendioso, além de exigir competências e acúmulo de experiência que, na maioria das vezes, as empresas de base biotecnológica não possuem. Assim, o que se observa é o estabelecimento de alianças estratégicas e parcerias entre as empresas de base biotecnológica, principalmente as start-ups, e as tradicionais empresas farmacêuticas. As tradicionais farmacêuticas, que sempre se caracterizaram pela atuação integral por toda a cadeia de valor, hoje apresentam importantes sinais que reforçam a necessidade de estabelecimento de alianças estratégicas e parcerias com o grupo de empresas de base biotecnológica. Além da dificuldade em se adaptarem ao novo conhecimento produzido na terceira geração da biotecnologia, as tradicionais farmacêuticas atualmente são pressionadas com a perda de patentes, que impulsionará ainda mais a necessidade de lançamentos de novas drogas no mercado, e a queda do poder de inovação: o montante de investimentos em P&D das farmacêuticas aumenta a cada ano, porém o número de drogas aprovadas para o uso comercial não acompanha esta evolução. Deste modo, o número de alianças entre as empresas de base biotecnológica e as empresas farmacêuticas, que apresenta evolução, desde o início dos anos 90, deverá continuar a ser uma prática recorrente, rompendo, em muitos aspectos, o paradigma da indústria. No próximo artigo discutiremos como a nascente indústria brasileira de biotecnologia deveria se posicionar neste mercado. 6 - Referências Bibliográficas
• ARORA, Ashish, GAMBARDELLA, Alfonso e RICCABONI, Massimo (2000). “The Nature and the Extend of the Market for Technology in Biopharmaceuticals”. University of Siena, Working Paper. Siena, 2000. • BOTTAZZI, Giulio, DOSI, Giovanni, LIPPI, Marco, PAMMOLLI, Fabio, RICCABONI, Massimo (2000). “The Innovation and Corporate Growth in the Evolution of Drug Industry”. Sant’Anna School of Advanced Studies, Working Paper. Pisa, 2000. • BURRILLL & CO (2003). “Biotech 2003: Revaluation and Restructuring…”. Burril & Co, Apresentação. São Francisco, 2003. • COSTA, Carla (2001). “Políticas de Desenvolvimento para a Biotecnologia em Portugal”. Dissertação de mestrado, Instituto Superior Técnico / UTL. Lisboa, 2001. • FONTES, Margarida (2003). “Distant Networking: The Knowledge Acquisition Strategies Of ‘Out-Cluster’ Biotechnology Firms”. Instituto Nacional de Engenharia e Técnica Industrial, Working Paper. Lisboa, 2003. • GILLING, Dennis (2002). “A Study of Drug Development: Past, Present ad Future”. Kapiolani Medical Center for Womem & Children, Apresentação. • H3 PHARMA (2002). “Vision des Al iances Biopharmaceutiques et du Développement de l’Industrie”. H3 Pharma, Apresentação. Montreal, 2002. • MALERBA, Franco e ORSENIGO, Luigi (2001). “INNOVATION AND MARKET STRUCTURE IN THE DYNAMICS OF THE PHARMACEUTICAL INDUSTRY AND • BIOTECHNOLOGY: TOWARDS A HISTORY FRIENDLY MODEL”. Università L. Bocconi, Working Paper. Milan, 2001. • OCDE (1999), "Biotechnology: A Revolution in the Making", OCDE ANEXO I - As fases do processo de desenvolvimento
Descrição
Duração
Grupo de
testagem

Pré-clínica desenvolvimento do medicamento, os testes 3-4 anos Testes in vitro designados para examinar a segurança do testes, normalmente voluntários saudáveis, são examinados de perto para serem determinadas às ações farmacológicas, metabólicas e famacocinéticas da droga, seus possíveis danos e os níveis máximos de tolerância. Mesmo realizados em pequena escala, estes testes servem para iniciar o entendimento de como os seres humanos reagem à droga. limitado número de pacientes. Estes testes segurança e eficácia do medicamento em um período acima do curto prazo, além de estabelecer parâmetros (doses máximas e mínimas) para os testes de longo prazo da fase III. Os testes da fase III possuem o objetivo de Fase III demonstrar a eficácia e segurança do 3+ anos medicamento no longo prazo. Os testes são normalmente com placebo double-blinded, conhecimento quando estão lidando com uma droga ou placebo, e envolvem milhares de pacientes durante vários anos. A grande escala pesquisadores obterem dados valiosos na avaliação da relação benefícios x riscos da droga, assim como identificar efeitos colaterais raros e em grupos especiais de pacientes. A realização destes testes é extremamente dispendiosa em tempo, capital e esforço e eles são realizados enquanto a aprovação é conduzida. Realizada após a aprovação da droga. São Fase IV testes de epidemiologia (estudo das definidos relações entre os fatores causadores de enfermidades, sua distribuição e freqüência) e estudos de mercado. Fonte: Gil ing, Dennis (2002).; “A Study of Drug Development: Past, Present ad Future”

Source: http://www.heliceconsultoria.com.br/artigos/a3.pdf

Pharmaceutical care of people with depression

Pharmaceutical Care of People with Depression Objectives • Provide an overview of the diagnosis and therapeutic management of depression • Identify key pharmaceutical care needs of this group of patients • Explore ways of positively impacting on the care of this patient population Key aims: • Raise awareness and promoting mental health and well-being • Elimin

Terminant msds 2009

MATERIAL SAFETY DATA SHEET: TERMINANT ANT, TERMITE AND SPIDER SPRAY Hazardous according to criteria of Worksafe Australia Heiniger Home & Garden Care Pty. Ltd. 5 Devon Street, Lonsdale, South Australia, 5160. MATERIAL SAFETY DATA SHEET: TERMINANT ANT, TERMITE AND SPIDER SPRAY Swal owed: Low toxicity. Toxic effects are not expected unless ingestion of large amounts. Aspiration in th

Copyright © 2010-2014 Pdf Medical Search